Projetos de TI, como a implantação de um ERP ou de sistemas de gestão costumam ser um alto investimento para as empresas, pois além do gerenciamento do cronograma e do escopo do projeto, envolve a adequação da infraestrutura interna da empresa, a contratação de consultorias especializadas e a formação de uma equipe dedicada ao acompanhamento e implementação do projeto. Uma das formas de reduzir os custos, acelerar os processos e permitir que a equipe foque no projeto e não em seus pré-requisitos, é a utilização de serviços em nuvem, como máquinas virtuais, ambientes de teste e desenvolvimento, bancos de dados e outros serviços disponíveis nessas plataformas. E aí, o Microsoft Azure pode ser uma boa solução, por oferecer muito além dos serviços tradicionais de Data Center.

Ele é uma plataforma de computação em nuvem que oferece software como serviços (Saas), como quando se usa licenças de softwares que são hospedados e gerenciados na nuvem, como é o caso do CRM Online; plataforma como serviço (PaaS), como hardwares e sistemas operacionais, diminuindo o tempo gasto com aquisição, planejamento e manutenção de recursos necessários para a implantação e correto funcionamento de aplicações, por exemplo; além de ser uma solução de infraestrutura como serviços (IaaS), podendo ser utilizado para armazenamento de dados ou criação de máquinas virtuais.

Um bom exemplo de como o Azure reduz custos para uma empresa é a sua utilização nas fases de desenvolvimento, implantação e homologação de um ERP, independentemente se depois ele será hospedado no próprio Azure ou nos servidores internos da empresa. É sobre essa vantagem que a nuvem pode agregar aos projetos de TI que vamos falar!

1- Redução de custos com servidores locais

O Azure pode suprir as necessidades de armazenar dados, fazer backups previamente agendados, além de reduzir a necessidade de investimentos em gerenciamento, atualização e manutenção de servidores locais. Algumas simulações realizadas pelo time da Inove, apontaram que uma empresa pode ter uma redução anual entre 21 e 35% de seus gastos gerais com a manutenção de servidores internos ao utilizarem a nuvem da Microsoft.

Outra vantagem é poder pagar apenas por serviços contratados e pelo tempo utilizado, e não por pacotes de serviços ou planos com mensalidades fixas.

Alguns exemplos de como as funcionalidades do Azure podem ser utilizadas pelas empresas são:  criação e hospedagem de aplicativos, ambiente de testes, backup e recuperação em caso de desastre, ferramentas de análise, além de poder contar com uma galeria de imagens de máquinas virtuais, com a capacidade das máquinas podendo ser configuradas de acordo com as necessidades do cliente, chegando a ter 64 processadores por aparelho.

2- Economia de energia e uso de espaço físico

Aumentar, remanejar ou adequar espaços da empresa é um item a ser considerado no momento da decisão sobre servidores internos, na nuvem ou híbridos. Servidores físicos exigem espaço adequados e com temperatura controlada 24 horas por dia, por ar condicionado, pois o servidor pode superaquecer e seus componentes queimarem. Essas despesas deixam de existir ao se optar por um serviço em nuvem, como o Microsoft Azure.

3- Redução de custos na atualização ou implantação de um novo sistema

Vamos considerar que uma companhia que hospede seus aplicativos para negócios em servidores físicos internos e pretenda substituir seu antigo ERP por uma versão mais atual ou por um novo sistema. Certamente, durante o processo de implantação do novo ERP, ela ainda usará o sistema antigo e a capacidade de seus servidores – o que exigiria um investimento em sua infraestrutura. O uso do Azure poderia criar um atalho e reduzir a necessidade deste investimento.
Neste caso, o desenvolvimento e homologação poderiam ser feitos na nuvem Microsoft e posteriormente aplicados nos servidores internos da empresa.

4- Dedicação da equipe de TI às prioridades da empresa

Ter uma equipe de TI que se dedique a gerenciar, fazer manutenções e corrigir possíveis problemas nos servidores internos, pode acabar desviando o foco de projetos mais prioritários para a empresa, por isso, está se tornando cada vez mais comum a adoção da infraestrutura na nuvem ou de ambientes híbridos, onde parte da infraestrutura é internalizada e outra parte é migrada para a nuvem.
Um exemplo disso, foi o que a Tenax fez ao implantar o ERP da Microsoft, o Dynamics AX, em sua filial brasileira. Por ser uma multinacional italiana com subsidiárias no Brasil, Estados Unidos, Espanha, Índia, Turquia e África do Sul, a empresa optou pelo Azure na hora de hospedar o ERP. A principal razão foi a facilidade de gestão remota do ambiente, além das reduções de custos com equipes de TI e servidores locais em cada filial.

5-     Tempo também importa

Outro exemplo é que uma empresa pode optar por acelerar o tempo de implantação do projeto de ERP, com a contratação dos serviços do Microsoft Azure. Com isso, todo o trabalho de fazer cotação, comprar licenças, instalar e preparar o ambiente para o servidor que poderia levar vários dias para ser preparado será reduzido para menos de dois dias.

Logo, economizar tempo e adiantar a homologação do projeto também é um dos benefícios da solução.

Por isso, na hora de decidir pela melhor alternativa na sua empresa, considere também esses aspectos e balanceie os contras e os prós. Se precisar da ajuda de uma consultoria de TI para fazer as estimativas e o cálculo de viabilidade da implantação do sistemas de gestão nas duas modalidades, tanto na nuvem, como em servidores internos da empresa, pode contar com a inove que é especialista em reduzir custos de projetos de TI para as empresas!